Caminho da Fé, Caminho de Afeto

Caminho da Fé, Caminho de Afeto

Tudo o que você precisa saber para percorrer a rota do “Caminho da Fé” de bike

Você já ouviu falar no termo “bicigrina”? Eu descobri, junto com minha amiga, ciclista e companheira de aventura Ana Laura, que este é o nome dado aos peregrinos que realizam rotas peregrinas como o Caminho de Santiago de Compostela e o Caminho da Fé de bicicleta.

E como boa “bicigrina” que me tornei após este passeio, gostaria de dividir neste post algumas dicas e experiências que tivemos em nossa primeira cicloviagem na região. Então, se você pensa em realizar esse roteiro ou procura por inspiração para novos destinos, este post é pra você!

Antes de tudo: Preparando a bike e a bagagem para partir

A cicloviagem começa bem antes da primeira pedalada, durante a preparação: o estudo do trajeto, do que levar e como. A princípio damos uma atenção especial a bagagem, inicialmente separando os itens absolutamente necessários para levar e depois eliminando pelo menos 30% do que pode ser descartado. Esse momento eu adoro porque já estou viajando!

cicloturismo bagagem circuito da fé

Nossas bagagens para fazer o Circuito da Fé de bike

Logo depois, realizamos o empacotamento da bike. Com carinho e calma, desmontamos a bicicleta e organizamos onde colocar cada item. Eu normalmente tiro um pedal e a roda da frente, o guidão e encaixo na parte de cima do quadro, cuidando para não esticar demais os cabos, desço o selim e pronto! Já fica muito mais fácil de carregar.

Sempre fico atenta também nas partes da bike que necessitam cuidados como o disco e o câmbio e protejo tudo com muito papelão. Prendo as partes maiores com enforca gato para deixar tudo bem firme. E cuidado para não esquecer nenhuma peça indispensável para finalmente, sair pedalando.

bike protecão

Proteção especial para a bike chegar intacta no ponto de partida

Por fim, feche tudo com plástico bolha, lona e fita adesiva. Ah! Eu ainda uso uma faixa para pendurar a bike nos ombros enquanto carrego a bolsa com os equipamentos de Bikepacking na outra mão. Cuidado nunca é demais! Por último, já no destino, entrego esse material a alguém próximo a rodoviária para ser reutilizado.

Caminho da Fé: conexão com o seu Deus, os peregrinos, empreendedores e moradores da região

Esse roteiro é tão fantástico que metade dos problemas são resolvidos pela boa organização do Caminho da Fé e informações publicadas constantemente no site oficial.

Portanto, há várias opções de hospedagem e boa alimentação, além de suporte para emergências, muita simpatia e atenção.

E o mais importante: a sinalização! As setas amarelas estão sempre a frente, para onde seu olhar apontar: postes, muros, placas com comunicação clara e indicação dos km percorridos.

sinalização caminho da fé

As placas amarelas do Caminho da Fé auxiliam muito os cicloturistas e peregrinos

E você também pode contar com palavras de conforto e incentivo. Para quem quer carimbar o passaporte, é só esticar o braço. Só estou exagerando para dizer o quão fácil é: dentro de capelas, bares, pousadas, cada carimbo é uma imagem diferente. Lembra até os tempos em que colecionávamos figurinhas nos álbuns!

selos circuito caminho da fé

Selos do Caminho da Fé

Este também é um bom momento para se conectar com os moradores e empreendedores. E nas capelas orar para o seu Deus, seja qual for ele. Como budista, eu pronunciava o meu Odaimoku com muita intenção. Ah, importante: apesar de ser um caminho de peregrinação, ele é realizado também pelos amantes de um desafio no esporte, da prática do autoconhecimento ou simplesmente dos turistas. Não há uma obrigação sobre a religiosidade. A fé é sua e você se resolve com o que foi buscar. Mas confesso que nós ficamos mais sensíveis e mais conectadas. Mesmo sem querer, você se entrega a espiritualidade e é lindo!

Como chegamos ao ponto inicial

Ana e eu nos encontramos em Campinas – SP, onde pegamos um ônibus até Águas da Prata. Muita ansiedade e dúvidas foram parte do nosso bate-papo durante o trajeto. Chegamos na rodoviária, desempacotamos as bikes e seguimos pedalando até a pousada.

pousada do peregrino

A Pousada do Peregrino: nosso ponto de partida!

Já havíamos reservado a Pousada do Peregrino ao lado da rodoviária para garantir um bom repouso na primeira noite. A partir daí começa a chuva de afeto e cuidados. Eliana, Jenifer e as meninas da pousada nos acolheram como irmãs de viagem e ajudaram a resolver alguns probleminhas (vou contar! Ana levou um enxoval de roupa e fiz ela enviar de volta para casa pelo correio!).

Depois de um café delicioso começamos nossa jornada com algumas mudanças no roteiro inicial. Junior @juniormiranda_69 – um amigo querido que recém havia feito a rota, nos sugeriu algumas alterações e foi ótimo.

Confira o nosso roteiro completo da viagem clicando aqui. 

cicloturistas e bicigrinas caminho da fé

Todo nosso destino é uma comemoração diferente

O que trouxemos de lembranças do Caminho?

Ocorreu tudo bem, foi mágico e abençoado. Tudo ótimo! Aqui já agradeço aqueles que se empenharam tanto para concretizar essa rota e mantê-la sempre com cuidado e acolhimento aos cicloturistas, bicigrinos e peregrinos. Gratidão!

Sei que alguns podem criticar algumas situações que não agradam no caminho, mas isso também está presente no dia a dia: a resiliência. Cansados, com fome e sono, às vezes as coisas não são exatamente como se espera, mas assim é a vida. O caminho é existir e depois que esse ciclo termina, outro começa e como todos os demais, impermanente e transitório!

Caminho da Fé Siga em Frente

Caminho da Fé: Siga em frente

Algumas dicas para cicloturistas e bicigrinos:

  • Temperatura: no final de julho havia começado uma frente fria no sul muito forte. Na Serra e na Mantiqueira não seria diferente. Todos os dias acordávamos com frio, colocávamos várias blusas, calça, segunda pele, corta vento… Era um tira e põe roupa o tempo todo. Fazia calor nas subidas pedalando ou empurrando a bike e frio gelado nas descidas bruscas. Mas ao final, foi uma delícia! Eu voltaria nessa estação do ano! Dica: leve roupas adequadas para a época e de fácil lavagem e secagem.
  • Bagagem: Outra coisa importante é que nós duas tínhamos bagagem na bike, cerca de 8 kg a mais, o que interfere no desempenho do pedalar. São escolhas e para nós foi ok, mas cuidado para não carregar peso excessivo e desnecessário.
  • Hospedagem: Não vimos necessidade de fazer reservas com antecedência, até para não interferir no caso de mudarmos os planos. Se o período for de maior procura, é claro que você deve consultar antes e se for o caso, garantir a reserva. Nós reservamos as hospedagens com um dia de antecedência quando já tínhamos certeza de alcançar o destino do dia. Uma observação do que achei muito especial: os pousadeiros te atendem com carinho mesmo que não esteja hospedado no local e te auxiliam com as informações que precisar.

    Com a cordialidade e simpatia dos pousadeiros, fica tudo mais fácil

    Detalhes importantes:

     

  • Quarto: tenho sono leve então no meu caso, é importante ter um quarto silencioso disponível na hospedagem. Observe qual é o melhor quarto para você atentando-se ao barulho da rua e de outros ruídos do local.
  • Lavanderia: se for realizar o caminho sem apoio uma dica é lavar sua roupa logo que chega. Observe se há esse serviço mesmo que seja um local mais simples. Algumas pousadas possuem lavanderia e secadora de roupas, então ao chegar vá se agilizando.
  • Tome nota: observe particularidades no caminho para não perder de vivenciar a experiência e anote os detalhes importantes em um caderninho ou celular, você vai querer se recordar de tudo depois.

    Esteja sempre atento: cada canto é uma descoberta!

  • Descanso: faça o roteiro com um dia a mais para descansar e conhecer algum lugar que tenha te encantado.
  • Achados e perdidos: os pousadeiros são super atenciosos e se você esquecer de algo, eles podem te enviar o item por correio mediante o pagamento da postagem.
  • Revisão na bike: as pastilhas da bicicleta devem ser novas e por garantia, de antemão carregue um par de reserva pois as descidas são fortes. Também vale lembrar de conferir a bike todos os dias para ver se está tudo ok e sobretudo, lubrificá-la algumas horas antes de pedalar se necessário.
    placas motivacionais

    Placas motivacionais no caminho

  • Água: você encontra em vários lugares, porém é sempre é bom ir abastecendo antes de acabar.
  • Lixo: leve o seu ou deposite-o em locais apropriados. Contudo, tenha atenção: encontramos várias embalagens de isotônico que provavelmente ciclistas apressados deixaram cair no meio do caminho.

Quer saber mais? Confira o nosso roteiro completo clicando aqui. 

Pôr do sol lindo: um presente do Caminho da Fé pra nós

Quer fazer a rota do “Caminho da Fé” e tirar as suas dúvidas sobre ele? Entre em contato comigo para saber mais!

Triskel Bike Experiências
Informações:
mailto:lica.triskel@gmail.com  | Tel. (48) 99633-0090

Related Posts

Enter your keyword